image image image image
Site a venda Devido a falta de tempo e problemas financeiros colocamos o site com todo o conteúdo a venda, mais informações entre em contato. Contato Webmaster Due to lack of time and financial problems we decided to put the site with all content for sale, further information, contact webmaster. E-mail Webmaster
Tenha sua Casa Terreno em Condominio Ninho Verde II, com 8 milhões de metros quadrados, está localizado no km 196 da Rodovia Castello Branco, no município de Pardinho (Botucatu) e é ideal para quem busca desfrutar dos prazeres da vida no campo, com ar puro e muito verde.

O condominio conta com Dois clubes completos, Veja Mais
Anuncie Seja nosso parceiro!   Seu anúncio em destaque em todas as páginas!   Anuncie com o banner de 485x200 em jpg, gif ou flash.   Retorno garantido!!!
Maiores informações Clique Aqui
Galeria de Shows no Brasil Mais de 1.500 imagens dos shows do Maiden ao redor do Brasil!
Acesse
Sex, Abr 18, 2014

Compartilhe nas redes sociais

Biografia Bruce Dickinson

Nascimento: 07/08/1958

Cidade natal: Workshop Notts

Instrumento: Vocal

Bandas: Paradox (styx); Speed; Shots (77/78); Samson (78/79); Iron Maiden (81/93); Bruce Dickinson (90/99); Iron Maiden (99/atualmente)

Principais influências: Black Sabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Jethro Tull.

Interessado por rock e heavy metal desde que ouviu o álbum Deep Purple, 'In Rock', Bruce Dickinson começou sua vida como vocalista cantando em bandas que só são conhecidas pelo fato "dele" ter contado sua história, são elas, Xerox (onde Bruce gravou uma faixa bônus "Lone Wolf" no primeiro single da banda), Shots, Speed e Styx. Após isso, foi vocalista do Samson, que foi a banda que o projetou como vocalista e na qual gravou dois álbuns.

Saiu do Samson para o estrelato com a banda Iron Maiden, se tornando um dos mais respeitados vocalistas do heavy metal. Seu envolvimento com sua carreira solo se deu em 1990 quando antes do lançamento de No Prayer for the Dying (álbum do Iron Maiden), foi convidado para gravar uma música para o filme Nightmare on Elm Street (no Brasil A Hora do Pesadelo, com Freddy Krueger).
Segundo o próprio Bruce, o material era tão bom que não compensou fazer apenas uma música. Tattoed Millionaire foi composto e contava com Bruce Dickinson, Janick Gers (guitarra), Fabio Del Rio (Bateria) e Andy Car (baixo). Destes integrantes, Janick Gers (que compôs a maioria das músicas junto com Bruce ) já tinha trabalhado nas bandas White Spirit (Ian Gillan, ex-Deep Purple), Fish (antigo vocalista do Marillion) e do próprio Paul Di’anno. Bruce declarou que Tattoed Millionaire era uma tentativa de resgatar o rock and roll dos anos 70 e na verdade, muitos fãs se enganaram quanto ao seu conteúdo, que não era heavy metal e nem semelhante ao Iron Maiden.
Son of A Gun (uma de suas melhores músicas), a faixa-título, Born in 58 (feita em homenagem a seu avô), Dive!Dive!Dive! e All the Young Dudes (cover de David Bowie) foram os destaques. Seguiu-se uma turnê por alguns países onde foi feito um vídeo ao vivo chamado Dive!Dive!Dive! Também foi através de Bruce Dickinson e Tattoed Millionaire que Janick Gers entrou no Iron Maiden após a saída de Adrian Smith (guitarrista). Seu segundo álbum solo marcava uma triste realidade, pois foi lançado depois que deixou o Iron Maiden.

Em 1994 lança Balls to Picasso, trazendo junto um heavy metal diferente e cheio de novos elementos. Seu pensamento até então era distanciar-se o máximo possível do estilo Iron Maiden e nada em Balls to Picasso lembrava sua antiga banda. Músicas pesadas e lentas como Gods of War, Hell No, Cyclops e Laughing in the Hiding Bush, outras como a pesada 1000 Points in Light e Change of Heart (com influências flamencas). Porém a música carro-chefe do álbum foi Tears of the Dragon que até hoje é tocada em seus shows. A formação que tocou neste álbum foi composta pela banda Tribe of Gypsies, Roy Z (guitarra), Eddie Cassilas (Baixo), Dave Ingraham (bateria) e Doug Van Booven (percussão). A maioria das músicas foram compostas por Bruce e Roy Z. Também contava com uma participação especial na bateria de Tears of the Dragon, Dickie Fliszar (da banda Skin inglesa).
Neste mesmo ano de 1995, sai Alive in Studio A que foi um CD duplo. O primeiro CD parece gravação em estúdio, só que ao vivo. O segundo CD é ao vivo e com platéia - At The Marquee - e tem algumas músicas do primeiro trabalho solo Tattoed Millionaire, além das do Balls to Picasso.

Também foi neste ano que Bruce se apresentou com sua banda solo no Brasil (sem sequer tocar uma música do Iron Maiden), esta por sua vez trazia outros músicos que gravariam o seu próximo passo solo, ou seja, Skunkworks. Skunkworks foi concebido em 1996 e seus músicos eram Alex Dickson (guitarra), Chris Dale (baixo) e Alessandro Elena (bateria). Este álbum talvez tenha sido o único momento realmente fraco pelo qual Bruce passou em sua carreira solo, debaixo de muitas críticas que o acusavam de ter feito um álbum grunge. Suas declarações na imprensa ajudaram ainda mais aos fãs criticarem duramente Skunkwors. Em declarações defendia o grunge e colocava o heavy metal em baixa. Independente disso algumas músicas se destacavam como Back From the Edge, Inertia, Solar Confinament e Inside the Machine (esta foi tocada ao vivo ainda na turnê de Balls to Picasso no Brasil em1995).

Também foi na turnê de Skunkworks que Bruce decidiu tocar pela primeira vez em sua carreira solo, uma música do Iron Maiden, The Prisioner para finalizar os shows. Chegou a vir no Brasil para a divulgação do álbum, mas não se apresentou com a banda para uma turnê nacional. Dissolveu a banda de Skunkworks e de repente em 1997 aparece com um novo trabalho chamado Accident of Birth, acompanhado de ninguém menos do que Adrian Smith (guitarra e ex-Maiden). Era uma volta ao heavy metal e pela primeira vez Bruce se aproximou do estilo Iron Maiden. O responsável pela capa e pela mascote 'Eddison'; foi Derek Riggs que foi o desenhista da maioria das capas do Iron. Este álbum gerou um pouco de revolta entre os fãs mais radicais pois Bruce tinha feito declarações contra o heavy metal e Accident of Birth era uma volta ao mesmo. Para muitos é apontado como o melhor solo de Bruce.
Novamente traz a banda Tribe of Gypsies para tocar no álbum, Roy Z (guitarra e produtor), Eddie Cassilas (baixo) e Dave Ingraham (bateria), além do próprio Adrian Smith (guitarra). A maioria das músicas foi composta por Bruce e Roy Z mas Road to Hell foi feita pela dupla Bruce e Adrian Smith. Os maiores destaques ficam por conta de Freak, Dark side of Aquarius (apresentando um clima meio Maiden), faixa-título, Road to Hell e The Magician (apontadas por terem o mesmo estilo maiden).

Também foi no final de 1997 que Bruce se apresentou com esta banda no Skol Rock, tocando várias músicas do Iron Maiden que levaram os fãs á loucura. Flight of Icarus, Powerslave, Two Minutes to Midnight e Run to the Hills foram algumas delas. A maior surpresa mesmo foi a presença de Adrian Smith que desde 1985 (Rock in Rio) não vinha mais ao país. Ainda nesta turnê, Bruce e Adrian disseram que o próximo álbum viria ainda mais pesado mas sem fugir do estilo adotado em Accident of Bith.
Em 1998 sai o tão esperado The Chemical Wedding, cumprindo com a promessa de Bruce e Adrian, ou seja, vinha mais pesado, mas dentro do estilo de Accident of Birth. Seu tema principal é a alquimia e algumas coisas de Aleister Crowley e do pintor e poeta inglês William Blake. A banda era mais uma vez composta por Adrian Smith (guitarra), Roy Z (guitarra, produtor e maior compositor junto à Bruce), Eddie Cassilas (baixo) e Dave Ingraham (bateria). As principais músicas são Book of Thel (aclamada como a melhor para a maioria), Trumphets of Jericho, a belíssima faixa-título, a viajante The alchemist, Jerusalem, The Tower e Gates of Urizen. Solos perfeitos, bateria pesada, bases pesadíssima e vocal soberbo marcam The Chemical Wedding.
No ano de 1999, Bruce retorna ao Brasil para uma turnê, da apresentação em São Paulo sai o CD Scream for me Brazil, o trabalho é de ótima qualidade e apesar do show ter sido realizado em São Paulo o CD foi editado na Itália. Depois desse CD Bruce Dickinson e Adrian Smith retornam ao Iron para tocarem no ano de 2000, Bruce diz que sua carreira solo vai ficar um pouco abandonada neste ano, pois vai estar totalmente dedicado ao Iron Maiden, mas no ano de 2001 sua banda solo aparecerá com um novo trabalho.
2005 Bruce aparece com o novo CD solo chamado Tyranny of Souls um ótimo trabalho.
2008 marca sua estréia nos cinemas, não como ator, mas sim diretor de um filme! O filme se chama Chemical Wedding, Bruce dirigiu e fez maior parte da trilha sonora, como sempre Bruce Dickinson se superando na sua carreira, onde será que ele irá se aventurar da próxima vez?

Compartilhe nas redes sociais

Seja nosso parceiro!

O maior site sobre a banda em língua portuguesa.

Mais de 100 mil visitas por mês!

Retorno garantido!

Solicite um orçamento;

Entre em contato